O atendimento em bares e restaurantes argentinos.

Buenos Aires, Argentina, uma cidade que funciona 24 horas por dia. Todos ficam ansiosos para conhecerem essa cultura que é uma mescla de sangue latino com ar europeu. Dentre tantas atrações que a cidade oferece, sempre buscamos conhecer restaurantes e bares.

Quando buscamos identificar quais pontos turísticos são imperdíveis e quais restaurantes não podemos deixar de visitar, nos esquecemos de buscar as preciosas dicas sobre os costumes locais. Nosso conhecido “jeitinho brasileiro” já é muito popular entre os argentinos, principalmente quando frequentamos bares e restaurantes.

Vou compartilhar com vocês algumas experiências das quais eu presenciei e vivi, durante meu trabalho em um bar de Buenos Aires. Algumas dicas poderão ajudar os viajantes de primeira mão, para que possam se sentir mais bem acolhidos durante suas viagens ao exterior.

Atendimento em bares de Buenos Aires

1) Pedir alguma bebida de cortesia (aquela “por conta da casa”):

O Argentino não tem o hábito de oferecer bebidas de cortesia quando pedimos. Muitos já conhecem nossa cultura do “choro” e levam numa boa, mas é mais bacana não insistir. Quando a conta está extensa, ou quando toda a situação permite, eles mesmos ofertam alguma bebida por conta da casa. Os argentinos gostam muito de cativar e fidelizar clientela, mas gostam de agradar os clientes da maneira deles.

2) Nosso relacionamento com os garçons:

No Brasil não nos preocupamos com certas formalidades quando lidamos com os garçons e seguimos o mesmo raciocínio no exterior. Já os Argentinos têm inúmeras formalidades. Quando os chamamos assoviando ou estalando os dedos, eles não gostam muito e alguns podem se ofender. Ou quando chamamos o garçom de “amigo”, alguns podem achar graça, mas outros podem nos olhar com um ar atravessado, já que para eles a amizade é muito valiosa, talvez até restrita.

3) Hora de pedir a conta para pagar:

Seja por que está com pressa, ou simplesmente por que gostaria de pagar a conta. Você olha ao redor para ver se um garçom está à vista, mas é sempre neste momento que ele some. O adequado é aguardar até que algum passe e veja você chamando-o. Não se dirija ao caixa por conta própria para pagar a conta, pois poderão entender que você não está satisfeito com o atendimento, já que é costume o garçom trazer a conta e realizar a cobrança ao cliente.

4) Grupo de amigos: muito difícil conseguir as contas individuais.

Quando você está num restaurante ou bar com um grupo de amigos, talvez 10 pessoas, o garçom tomará o pedido de cada um e comandará como mesa única. Vocês passarão se divertindo e desfrutando do local, até que resolvem pedir a conta. O garçom, como de costume, vai trazer uma conta, mas será uma única conta onde constará todo o consumo da mesa. Ah, mas você havia pedido que ele comandasse separado o seu pedido?! Ele não tem essa opção pelas regras do próprio estabelecimento.

5) A dificuldade para pagar a conta quando for um grupo de pessoas:

Chegada a conta em comanda única, vem o momento do pagamento: 10 cartões de crédito. Não aceitarão. Vão receber o pagamento apenas de forma integral. Por sorte alguns lugares aceitarão pagamento com mais de um cartão, quando a conta for exatamente dividida em valores iguais. Vão pagar a conta com dinheiro? Juntem o dinheiro até a soma total da conta e então efetuem o pagamento ao garçom, já que muitos não providenciam troco individual.

6) A gorjeta não vem incluída nas contas:

Na Argentina eles não incluem a gorjeta, chamada “propina”, na conta. A conta vem limpa, somente com o consumo da mesa. A gorjeta fica a critério e bom senso do cliente e o valor médio é de 10%. A questão é que sempre se deixa uma gorjeta para o garçom. Se o garçom lhe atendeu super bem, seria uma falta de consideração não deixar algum valor para ele. E sim, toda a gorjeta é direcionada para os garçons.

Atendimentos em bares e restaurantes argentinos
Restaurante Crónico Bar

Num primeiro momento estes episódios podem parecer estranhamente excessivos, mas temos que nos lembrar que quando viajamos para terras vizinhas, os costumes mudam significativamente, e para que possamos sempre ser lembrados com amor e carinho, devemos respeitar, assim como gostaríamos que respeitassem nossas tradições.

Bom pessoal, se vocês também passaram ou presenciaram situações semelhantes, cômicas, desconfortáveis ou simplesmente se imaginam nelas, compartilhem com a gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *